quarta-feira, 23 de julho de 2008

herança do barão de cocais

Um dos maiores pesquisadores e estudiosos da genealogia do Barão de Cocais no Brasil, é o engenheiro Operacional Antônio Carlos de Castro, de Campinas, que tem realizado um trabalho minucioso do assunto. Antônio Castro que também é administrador de empresas, é descendente do Capitão-mor Luis José Pinto Coelho da Cunha, primo do barão. Suas pesquisas podem ser consultadas no site: http://www.genealogiacastro.cjb.net e sua ascendência pode ser vista no "link" Genealogia/Meus Antepassados/Antepassados, localizado entre a 1ª e a 32ª geração; da 33ª até cerca da 60ª só pode ser vista registrando o nome na 32ª geração e procurando o "link" Genealogia/Base de Dados/Índice de Nomes/Sobrenome. Isto porque o "software" não comporta a codificação.

Para se ter uma idéia, atualmente existem na França – pouca gente sabe disso no Brasil, escritórios especializados, doublés de advocatícios e genealógicos. O mais antigo desses escritórios, é o Étude Andriveau (www.andriveau.com), em atividade desde 1830. A especialidade de tais profissionais consiste em caçar herdeiros para fortunas jacentes.

Pela lei francesa, quando morre alguém sem herdeiros próximos, o direito de herdar se estende a parentes de graus muito afastados, às vezes remotos parentes desconhecidos dos falecidos. A lei brasileira parece bem menos benigna nesse ponto. Ainda pela legislação francesa, as heranças paradas devem ser administradas (como, aliás, também no Brasil) por um curador, durante um período razoavelmente prolongado, até que surjam os herdeiros ou que, não aparecendo, a herança seja declarada vacante e passe para o domínio do Estado.

Ocorre que quando morre alguém rico e não deixa testamento nem herdeiros conhecidos, esses escritórios se põem na caça dos herdeiros, levantando a árvore genealógica do falecido, e procurando ramos colaterais de sua família. Em virtude das dificuldades evidentemente que quando localizam os herdeiros, cobram caro pelos serviços.

O barão – Para entender melhor a história, no final do século passado uma empresa inglesa explorou ouro no Brasil abrindo a mineração da Mina do Morro Velho na região de Ouro Preto, próximo a cidade de Barão de Cocais. José Feliciano Pinto Coelho da Cunha, o Barão de Cocais, tornou-se acionista da empresa e naquela época enviou para um banco em Londres (Inglaterra), somas avultadas em moeda corrente e em ouro.

O Barão faleceu em 1869 sem retirar os valores depositados naquele banco inglês e sequer os herdeiros diretos na época reclamaram quaisquer direitos na herança. Na década de 70 o banco de Londres comunicou ao governo brasileiro que em cinco anos completariam 100 anos do depósito e que após este tempo se os valores não fossem retirados prescreveriam e passariam a pertencer a corôa britânica.

Atualmente notícias dão conta que barras de ouro e um valor em dinheiro acumulado em cerca de 120 milhões de Libras Esterlinas, se reajustado nos últimos 100 anos, são suficientes para levar o banco inglês a falência, porque a instituição não teria a capacidade de liquidar tal soma para pagar os eventuais herdeiros. Realidade ou ficção ninguém sabe ao certo até hoje, o detalhe importante é que até hoje “nenhuma” pessoa se apresentou dizendo que recebeu alguma herança do barão.

José Feliciano Pinto Coelho da Cunha que chegou a ser aclamado, em Barbacena, presidente interino da Província de Minas Gerais, casou-se com Antônia Tomásia Pinto Coelho e tiveram três filhos: Joaquim Pinto Coelho da Cunha, Felisberto Pinto de Almeida e Francisco Rodrigues da Cunha. Francisco casou-se com Ana Olinda Oloia e desta união nasceu Ignácia Cassiana da Cunha que mais tarde casou-se com Antônio Carlos de Oliveira que por sua vez geraram Maria José de Oliveira. Talvez são muitas as pessoas descendentes do Barão de Cocais, entre as famílias descendentes está a de Samuel Martins Lopes da cidade de Barão de Cocais, Luzia Francisca de Oliveira.

Atualmente a história do Barão de Cocais faz parte dos dois casos judiciais abertos em que a ciência da Genealogia tem importante palavra a dizer, existe também o caso das sucessões do Comendador Domingos Corrêa (www.genealogiacorrea.com.br/home.htm), cuja imensa fortuna, constante de larguíssimas extensões de terra no Rio Grande do Sul e no Uruguai, é disputada até hoje por milhares de pessoas, passados mais de 100 anos de sua morte.

Se você estiver interessado em saber se é um dos possíveis herdeiros e se poder compartilhar da herança, entre em contato ou cadastre-se, teremos o maior prazer em atender a sua solicitação!

40 comentários:

Rita da Cassia disse...

Olá,

Para minha surpresa, vejo no blog os mesmos comentários que cresci ouvindo meu pai contar: a herança do Barão de Cocais. Ele hoje está com 84 anos e é filho de Maria do Carmo Pinto Coelho, da cidade de Mar de Espanha, MG. Vovó do Carmo casou-se com Jarbas Xavier de Mattos e veio a falecer no RJ, em março de 1974. Como não há nenhuma data ao lado do nome dela, fiquei na dúvida: seria ela, ou existiria outra Maria do Carmo Pinto Coelho? Tenho muito interesse em compartilhar essas notícias com esse grupo.

fabio disse...

queria saber se alguem desse blog em que cidade esta a certidão de obito do barão de cocais ou se alguem tem o xexox
deste ja agradeço

Soraia disse...

Olá, cresci ouvindo a história da herança das terras de Barão de Cocais, contada pela minha mãe, da cidade de Calambau, Minas Gerais. Ela conta que a sua tia Francisca Soares de Gouveia tinha em mãos os documentos da herança do Barão. E morreu sem ter notícias da herança, mas com esperança de receber a herança.Sou descendente da família Quintão Soares.

taisa disse...

ola, igual a tantos outros tbm cresci ouvindo comentarios de meu avo sobre seu tataravo mineiro descendente do famoso Barão de Cocais e que junto com seu pai Manoel Cunha Carvalho efetuaram APRESENTAÇÃO de doc.como herdeiros em minas gerais, para nós sempre soou como folclore familiar, mas será...

Marcos Antonio disse...

Meu nome é Marcos Antonio da Silva,nscido em Perobas-Lima Duarte-Mg. Meu avô, João Caetano de paula rodrigues, de Olaria-MG, comentou a respeito dessa herança.Mas, eu não quero saber de herança, quero conhecer meus parentes. Favor fazer contato pelo email: marcosperoba@gmail.com

LAFORNARI disse...

MEU NOME E LUIZ ANTONIO FORNARI ,TATARANETO DO BARÃO ,MINHA AVO ERA NETA DO MESMNO MINHA MÃE ERA BISNETA
MINHA AVO ANA MARIA NOGUEIRA DE CARVALHO PINTO . AUQNTO A PERGUNA FO FABIO ,ESTES DOCUMENTOS ESTÃO NO MUSEU HISTORICO DO RJ. E IMPOSSIVEL TIRAR UMA COPIA .FORNARI1526@ITELEFONICA.COM.BR

Philip Wollard disse...

Eu sou da familia ferrira e tenho dupla nacinalidade. Ingles e Brasileiro. Fui nu 28 bancos aqui na Iglaterra. Existe essa Heranca sim!

Foltao 2 papeis pra liberar este dinheiro, quem quer ajudar pos o dinheiro valorizo muito pos 100 anos!!

Vinicius disse...

Minha tataravó se chamava Antônia Amélia da Cunha, mais conhecida como Antoninha, era irmã de Maria José, que você cita no texto.

thiago disse...

ola boa tarde. me chamo antonio thisgo borges ....estou com meu pai em casa e falamos no assunto.ele me falou qu minha avó(maria ferreira borges) chegou a assinar uma procuracão no começo do ano de 1900.ela morava na fazenda com eu pai e tios ,ela era prima ou tia de 3 geraçao.\

meu email para contato é antoniothiagoborges@hotmail.com 67-92059028.att

thiago disse...

ola boa tarde. me chamo antonio thisgo borges ....estou com meu pai em casa e falamos no assunto.ele me falou qu minha avó(maria ferreira borges) chegou a assinar uma procuracão no começo do ano de 1900.ela morava na fazenda com eu pai e tios ,ela era prima ou tia de 3 geraçao.\

meu email para contato é antoniothiagoborges@hotmail.com 67-92059028.att

Edsonsati disse...

sou da primeira linha de herdeiro do barão, pois meu avô me contava essa história constantemente, ele tinha fotos de parentes do barão, inclusive temos fotos até hoje, como a do Juca tigre, heroi da Revolução Maragatos no Rio Grande do Sul, somos da familia Pinto de Melo.....

Pedroox disse...

Philip Wolard, caso leia isso. peço que entre em contato comigo

pedrorochafranco@gmail.com

abs

Pedroox disse...

Philip Wolard.

Peço que entre em contato. Gostaria de falar com você.

Pedrorochafranco@gmail.com

Aline Cruz disse...

Olá! Sou Aline Gomes da Cruz, neta de Clementina Dias de Melo, que passou a chamar-se Clementina Dias da Cruz ao casar-se com meu avô, José Sudário da Cruz. Segundo meu pai, um advogado procurou a minha avó na década de 60 para assinar uma procuração, onde entrariam com um processo para resgatar a herança do Barão de Cocais e nunca mais tiveram notícias disto. Na época, acho que os meus avós moravam na zona rural de Abre Campo-MG.
Não consegui visualizar a base de dados.
Gostaria de saber mais informações sobre meus antepassados. Minha avó faleceu quando eu era bem mais nova, e meu avô também já é falecido.
Se alguém souber algo que possa me ajudar a saber mais sobre a família, por favor, entre em contato.
Grata, Aline Cruz
https://www.facebook.com/aline.cruz.946

Walter Carlos da Silva disse...

Olá supostos parentes, sou Walter Carlos da Silva, filho de João Francisco da Silva e de Maria Luiza Nazareth da Silva, já falecidos, quero comentar que no começo dos anos 70(setenta) minha mãe assinou uma procuração e levou os advogados até Santa fé do Sul/SP, para os meus tios assinarem,Seastião,Aparecida e Antonio, sobre o levantamento da herança do Barão de Cocais, Jose Feliciano pinto Coelho Cunha, sendo meu tataravô. fico honrado só pela história.

arepereira disse...

Olha cresci ouvindo essa história.... A vovó era Ana Pinto Coelho morava em Governador Valadares e morreu ano passado por ter conservado o sobrenome acredito que ela venha da linhagem do filho do barão o Joaquim e ela sempre falava desse tal Joaquim..... pelo visto são muitos os descendentes do Barão de Cocais. Ah, moro em São José dos Campos-SP.

arepereira disse...

Desculpem, me chamo Ana Regina Pereira, no face vcs me encontram como Ana Pereira. Me chamo Ana em homenagem a vovó. E fico feliz em saber que os descendentes vivem por um longo tempo vovó morreu c 85 anos se não me engano.

Alisson Henrique disse...

Eu também sou descendente do Barão. O meu pai e os meus tios me disseram que nos anos 60 receberam o comunicado, mas por falta de documentos, de um acordo entre os diversos familiares e do surgimento de gente oportunista alegando também ser descendente, acabou passando. A minha avó seria sobrinha-neta dele, eu acho.

Alisson Henrique disse...

Eu também sou descendente do Barão. O meu pai e os meus tios me disseram que nos anos 60 receberam o comunicado, mas por falta de documentos, de um acordo entre os diversos familiares e do surgimento de gente oportunista alegando também ser descendente, acabou passando. A minha avó seria sobrinha-neta dele, eu acho.

Fernanda Alves Soares disse...

Sou Bisneta da filha da barronesa,Antonia Joaquina de Ataide Portugal,meu nome é Sara
Simões, é tbém eu sou a neta do sebatião Custodio, ele q e filho da filha da barronesa.Se qualquer coisa quiser saber mais ai está meu telefone 05184171911/(62)85298423. Qualquer coisa entre em contato.

brasuka disse...

Olá, meu nome é André e recentemente meu pai e alguns familiares dele estão em busca de um possível laço genealógico de parentesco com o Barão de Cocais. Não sei se eles tem razão nos seus fundamentos, mas pelo que consta eu sou, pelo que dizem, tipo bisneto ou tataraneto do Barão. Eles estão coletando informações e documentos para ver se os dados estão corretos. Mesmo assim, estou desconfiado e com o pé atrás com tudo isto...

Quem se interessar em manter contato, meu e-mail é brasuka10@gmail.com

Até mais.

lu disse...

quem esta coletanto documentos?sobre a herança do barao de cocais,pois eu fasso parte,e tenho como provar quem estiver coletando me informe pelo imail...LULU-ZIZI@HOTMAIL.COM....LUZIA.

lu disse...

quem estiver coletando documentos sobre a herança me avise pois eu tenho os doc m sobre a herança do barao de cocais....MEU IMAIL E .......
.LULU-ZIZI@HOTMAIL.COM
.........................

lu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lu disse...

quem tiver coletando docuentos sobre a herança de barao de cocais me avise no meu imail pois eu tenho.

meu nome e luzia e meu imail e
lulu-zizi@hotmail.com


obrigada.

lu disse...

quem tiver coletando docuentos sobre a herança de barao de cocais me avise no meu imail pois eu tenho.

meu nome e luzia e meu imail e
lulu-zizi@hotmail.com


obrigada.

lu disse...

quem tiver coletando docuentos sobre a herança de barao de cocais me avise no meu imail pois eu tenho.

meu nome e luzia e meu imail e
lulu-zizi@hotmail.com


obrigada.

lu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mary Cip disse...

Hello, my name is Maria José and my grand grandmother was Maria José de Oliveira how can you help me? I'm in London right now. Can you contact me please. Mariajcipollone@gmail.com. Best regards.

Mary Cip disse...

Hello, my name is Maria José and my grand grandmother was Maria José de Oliveira how can you help me? I'm in London right now. Can you contact me please. Mariajcipollone@gmail.com. Best regards.

Rogerio Linica disse...

Boa tarde a todos. Como muitos aqui também cresci ouvindo histórias sobre o Barão e sua herança. Sou bisneto de Carolina Maria da Cunha, filha de Silvestre José da Cunha, que em tese era bisneto do Barão, já que dizia-se na família que minha mãe e seus irmãos e irmãs pertenciam à sétima geração do Barão. Gostaria de confirmar essa história e tentar montar a árvore genealógica da família. Meu e-mail é rlinica@yahoo.com.br

Rogerio Linica disse...

Boa tarde a todos. Como muitos aqui também cresci ouvindo histórias sobre o Barão e sua herança. Sou bisneto de Carolina Maria da Cunha, filha de Silvestre José da Cunha, que em tese era bisneto do Barão, já que dizia-se na família que minha mãe e seus irmãos e irmãs pertenciam à sétima geração do Barão. Gostaria de confirmar essa história e tentar montar a árvore genealógica da família. Meu e-mail é rlinica@yahoo.com.br

Sara Claro disse...

Nenhu dos deacendentes da epoca reclamaran a herança porque o Barao deixou td para a quinta geraçao, que cresci ouvindo ser da minha bisa. Mas sei que na epoca dela todos diziam ser, entao muitos mentiam, muitos nao eram. Nunca pesquisei a fundo, tudo q sei é que ela veio d MG.

ÐǺŁŁ¥ ǺŁÜcǺяÐ disse...

Alguém tem notícias do andamento do processo pra receber a herança?